Telefones para Contato
BALNEáRIO CAMBORIú (47) 3056-4414 (47) 9 97630787
Ligamos para Você
2 Fale Conosco
MORO NA PRAIA IMÓVEIS

Busca de Imóveis

Selecione os critérios de busca nos campos abaixo e encontre seu imóvel dos sonhos
Busca Inteligente

Busca de Artigos

Lista dos 10 Artigos mais Lidos

Blog » Crescimento mais lento da economia pode prejudicar fundos imobiliários? Analista responde

Publicado na Sexta, 10 de maio de 2019, 19h50
Crescimento mais lento da economia pode prejudicar fundos imobiliários? Analista responde

SÃO PAULO – O mercado financeiro tem diminuído as projeções para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) semana após semana. De acordo com o último relatório Focus, do Banco Central, a expectativa para o PIB este ano está em 1,49%. Há quatro semanas, o mercado esperava que e economia crescesse quase 2¨% em 2019.

Como os fundos imobiliários estão muito relacionados com a atividade econômica, muitos investidores estão preocupados com estes ativos diante do crescimento mais lento da economia.

No entanto, para Gustavo Bueno, analista de fundos imobiliários da XP investimentos, o nível de crescimento do PIB em 1,5% está confortável para o mercado de FIIs. Bueno foi o convidado  desta semana do  programa “Fundos Imobiliários”, apresentado pelo professor do InfoMoney e especialista em fundos imobiliários Arthur Vieira de Moraes.

“Com um PIB em 1,5% ao ano, o spread (diferença entre as taxas) entre a inflação e os juros continua cada vez menor. E isso faz com que investimentos como os fundo imobiliários tendam a crescer e ter perspectivas melhores”, disse Bueno.

O professor Arthur lembrou que quando a economia do país cresce muito rápido, a inflação acaba sendo pressionada, o que faz com que a taxa básica de juros precise subir para controlar os preços – e isso prejudica a maioria das classes de investimentos. “Já um crescimento de 1,5% ao ano mantém a economia funcionando a ponto de não precisar subir a taxa de juros”, diz.

Bueno concorda e destaca que com os juros mantidos em níveis mais baixos, os investidores tendem a voltar suas carteiras para ativos um pouco mais arriscados do que a renda fixa – caso dos fundos imobiliários, por exemplo.

Segundo ele, o nível atual dos indicadores macroeconômicos é visto como favorável pela equipe de análise de FIIS da XP. “Inflação em 4% ao ano, PIB em 1,5% e Selic em 6,5%. Este é um cenário que nós gostamos”, afirmou.

Fonte: www.infomoney.com.br